top of page

Avanços em nova bateria que possui cinco vezes a potência dos iões de lítio

Segundo os investigadores, a nova tecnologia está comercialmente pronta para incrementar em cinco vezes a potência dos veículos elétricos e dos telemóveis.



Baterias revolucionárias com nova tecnologia


A equipa de cientistas australianos realizaram um grande avanço no desenvolvimento de baterias revolucionárias de lítio-enxofre que podem armazenar até cinco vezes mais energia, isto tudo pela metade do custo quando comparado com a tecnologia tradicional de baterias de iões de lítio.


Uma equipa da Universidade Monash, em Melbourne, afirma ter desenvolvido um novo design de bateria de lítio-enxofre (Li-S) que reduz a quantidade de lítio necessária e aumenta significativamente a sua durabilidade, fator que é prioritário no sucesso da mobilidade elétrica.


Os investigadores afirmam que seu “ânodo de folha de lítio revestido com polímero nanoporoso” também retém mais energia e custará metade do preço das baterias de iões de lítio.

Um problema antigo com baterias baseadas na tecnologia de lítio-enxofre é que o ânodo de lítio e os cátodos de enxofre reagem entre si, esse facto cria estruturas semelhantes a árvores chamadas dendritos, que se ramificam a partir do ânodo de lítio, degradando-o e ao eletrólito, que é o meio no qual os iões de lítio se movimentam para frente e para trás.

Isso reduz a energia que a bateria pode fornecer e significa que, em última análise, que as baterias ficariam inutilizadas demasiado cedo para serem comercialmente viáveis, o que acontecia em alguns casos em apenas 50 ciclos.


Essa tipologia de problema também pode acabar causando um curto-circuito nas baterias, potencialmente fazendo com que o eletrólito inflamável inicie a combustão.

Este é o mesmo problema que tem afetado as baterias de iões de lítio, que dominam o mercado de armazenamento de energia atual, em casos pontuais as baterias de iões de lítio acabam mesmo por iniciar o mecanismo de combustão, tal como já observamos nos diversos casos a nível mundial, como aconteceu recentemente com uma grande bateria Tesla na Austrália.


O estudante de doutoramento e investigador principal Declan McNamara informou que o novo revestimento fino de polímero que a equipa que lidera desenhou “melhorou significativamente o número de vezes” que a bateria de lítio-enxofre poderia ser reiniciada.

“O polímero contém pequenos orifícios com menos de um nanómetro de tamanho – um bilionésimo de metro – que permitem que os iões de lítio se movam livremente enquanto bloqueiam outros produtos químicos que atacariam o lítio.”

Declan McNamara disse que o revestimento “também atua como uma estrutura para o lítio e o ajuda a carregar e descarregar de forma repetida”.

O lítio metálico é uma espécie de faca de dois gumes”, disse McNamara. “O lítio contém muita energia, mas numa bateria de fraca qualidade, essa energia é desperdiçada em reações colaterais.


“Por outro lado, se a energia for canalizada corretamente, poderá produzir alguns dispositivos de armazenamento de energia incríveis e mais fáceis de produzir…


O colega de Declan McNamara, o professor Mainak Majumder, afirmou o estudo “estabelece uma nova estrutura para proteger o metal de lítio da rápida deterioração ou falha catastrófica, que tem sido um calcanhar de Aquiles para baterias lítio-enxofre Li-S”.

Um outro membro da equipa de Declan McNamara, o professor Matthew Hill, informou que as baterias poderiam causar um impacto instantâneo.

“O mercado de veículos elétricos, drones e dispositivos eletrónicos está num padrão de crescimento acentuado e esta investigação está comercialmente pronta para ser fabricada para apoiar esse crescimento.”

As baterias lítio-enxofre Li-S são uma de uma série de novas tecnologias de baterias que competem para fazer incursões no domínio do iões de lítio – com outros produtos químicos, incluindo o ião de zinco , o ião de sódio e o ferro-ar. Fonte: Fernando Jesus, Portal Energia.

13 visualizações0 comentário
bottom of page